Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Valongo do Vouga

Notícias sobre Valongo do Vouga

Valongo do Vouga

Notícias sobre Valongo do Vouga

25 de Abril

25 abril.JPG

 

A Nossa liberdade termina quando calcamos a liberdade dos outros...

 

Hoje, nas redes sociais de uma forma arbitrária, descontrolada e egocêntrica, há pessoas que se dedicam ao culto da má língua, nos diversos sentidos em que isso se possa aplicar, no sentido literário, no sentido depreciativo.

 

As redes sociais devem, na minha opinião servir para aproximar as pessoas, divulgar o que de bom se faz, e claro que também devem alertar para o que possa estar errado.

 

Se criticar é instrumento fácil, apresentar soluções ou colaborar na viabilidade das mesmas é tarefa árdua e não está ao alcance de todos, só alguns conseguem atingir esse propósito!

 

Sem que se tenha que recorrer a censura, há que no entanto ter bom senso! Há pessoas que deveriam ter algum cuidado com o que dizem porque as palavras mal utilizadas são armas que ferem e envenenam.

 

Há que distinguir informação e opinião!

 

Recentemente vi um pequeno vídeo de uma pessoa que se confessava a um Padre, pedindo perdão por ter difamado outra pessoa. O Padre, sábio na sua decisão disse, vai para casa, sobe ao telhado pega na almofada de penas e rasga-a ... e depois volta amanhã para que possamos falar de perdão...

 

A pessoa assim fez, rasgou a almofada e o vento espalhou as penas ...  Voltou ao confessionário e disse ao Padre que tinha feito o que ele tinha indicado para poder obter o perdão... O Padre disse: " agora, tenta reunir novamente as penas que se espalharam e volta para falar-mos sobre o perdão"... A pessoa percebendo o que tinha feito, exclamou, mas, Padre será impossível apanhar todas as penas, para onde elas teriam voado ?

Claro que o arrependimento dessa infeliz pessoa sentiu-se nas suas palavras, naquele confessionário, mas, o perdão, esse, não estava ao alcance das circunstâncias, deveria estar ao alcance de Deus...

 

Concluindo, é fácil difamar, é muito fácil emitir juízo de valores acerca de coisas que verdadeiramente nem se sabe muito bem, sobre pessoas que nem sequer conhecem bem, mas "ouviu-se falar"…

 

Assim, sem querer restringir a liberdade de ninguém aqui fica a reflexão... tenham cuidado com o que dizem, porque o perdão e o arrependimento poderão pesar amargamente na consciência de quem levianamente utilizar as palavras a seu "belo prazer".

 

Todos entenderão este apelo, mas só alguns entenderão o propósito desta mensagem, há pessoas que creem que sou "jornaleiro"  sendo que esse termo é depreciativo, há pessoas que julgam que fui afastado da atividade da correspondência de um jornal semanário local de referência, há pessoas que julgam que estou encostado a algum tipo de poder ou lide partidária, há pessoas que pensam que não tenho com que me ocupar...

 

A minha mensagem para essas pessoas é :

 

 A nossa liberdade termina quando calcamos a liberdade dos outros...

 

Artigo de opinião de Filipe Vidal 

 

25-04-2018

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2005
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D