Notícias sobre Valongo do Vouga
Segunda-feira, 26 de Junho de 2006
"Encontro Nacional de Mestres Alfaiates"
Águeda palco de encontro nacional de alfaiates


Antonio Jose Oliveira com o pai.GIF


Alfaiates de todo o país reuniram-se em Águeda, no domingo dia 21 de Maio 2006, em mais um "Encontro Nacional de Mestres Alfaiates", que se realiza há já 17 anos e que teve lugar, pela primeira vez, no concelho, organizado por António José Oliveira, de Valongo do Vouga, o mais jovem alfaiate do país.

O encontro realizou-se na Quinta dos Vales, em Mourisca do Vouga, com início às 9h30, altura em que foi feita a recepção, seguida de missa, às 11h, na Igreja de Valongo do Vouga, em honra de S. Bom Homem, padroeiro dos alfaiates. Para as 12h30 ficou marcado o almoço convívio, na referida quinta, seguindo-se depois a entrega de lembranças, prevista para as 15h. Meia hora depois, actuou o Rancho Infantil e Juvenil da Casa do Povo. O encerramento aconteceu por volta das 18 horas.

Com uma participação no encontro de cerca de uma centena de alfaiates, António José Oliveira, com estabelecimento em Valongo do Vouga, é um dos poucos alfaiates que ainda vão resistindo."trabalhamos para pessoas que gostam de andar bem vestidas", faz questão de sublinhar António José Oliveira, que está nesta arte desde 1986, altura em que tirou um curso na Academia de Corte Maguidal, incentivado pelo pai, também alfaiate de profissão que, por sua vez, herdou do pai.


Antonio Jose Oliveira - diploma.GIF

António José Oliveira constitui assim a terceira geração de alfaiates na família.

Antonio Jose Oliveira - a costurar.GIF

Segundo António José Oliveira, esta actividade também já conheceu melhores dias, sofrendo hoje, como tantas outras, os efeitos da crise e da concorrência asiática.
"Os nossos governantes deveriam incentivar e apoiar a formação nestas áreas que estão em vias de extinção", defende o mais jovem alfaiate do país, cujo sonho era poder montar uma escola de formação de alfaiates.

"O custo de vida não está para aventuras, as pessoas optam pelo mais barato", refere António José Oliveira, salientando o facto de "terem aumentado os pedidos para arranjo de roupa, o que antes não se verificava tanto"
Com António José Oliveira trabalham o seu pai e a sua mãe, mas a esposa, Nélia Oliveira, que também lá já trabalhou, optou por sair, devido aos dias menos bons que enfrenta esta actividades.
António José Oliveira lembrou ao RA, o tempo em que o seu pai, hoje com 60 anos, percorria as aldeias a pé, onde permanecia alguns dias a trabalhar para as pessoas da comunidade. Aos 18 anos, foi trabalhar para uma das melhores alfaiatarias de Aveiro, onde conheceu a sua esposa, que lá trabalhava como costureira.
Foi a ver o pai trabalhar que António José Oliveira ganhou interesse pela arte, aos 11 anos.


Texto adaptado de Isabel Gomes Moreira, Publicado no Semanário Região de Águeda de 26 de Maio de 2006


António José Oliveira, pertence ao Rancho Infantil e Juvenil da Casa do Povo de Valongo do Vouga e colabora como o Região de Águeda com textos sobre as actividades do Rancho e da sua terra.


publicado por Filipe Vidal às 09:51
link do post | comentar | favorito

4 comentários:
De Hernani Rodrigues a 10 de Julho de 2006 às 16:17
Ele não é apenas o alfaiate mais jovem, é concerteza um dos melhores a exercer a arte.
Obrigado.


De Maria de Fátima Costa Pereira a 18 de Junho de 2017 às 17:38
Gostaria de saber se o Sr Julio Oliveira ainda se encontra em Arrancada ou Valongo do Vouga não o conheço mas gostaria vivo em Ovar e sou filha dele alguém me pode responder? Obrigada.


De Filipe Vidal a 19 de Junho de 2017 às 21:13
Boa Noite, refere-se a que Júlio Oliveira ? Pode enviar resposta para o email filipe.vidal@sapo.pt ou ligar 915425890 . Cumprimentos Filipe Vidal


De Maria Fátima Pereira a 18 de Julho de 2017 às 17:57
Sr. Filipe as minhas desculpas de só hoje contactá-lo eu refiro-me ao Sr. Julio Oliveira que é alfaiate tem um filho que se chama José António e uma filha Margarida tenho 2 cartas do Pároco da paróquia de Sever do Vouga que sabe que o dito senhor tem uma filha que nunca reconheceu, era solteiro e a minha Mãe também andava ele aprender de alfaiate e a minha Mãe era empregada na pensão onde ele ficava. Só gostava de saber se ainda é vivo. Os meus cumprimentos e desculpas de tomar o seu tempo.


Comentar post

mais informações
pesquisar
 
arquivos
posts recentes

25 de Abril

Localização dos festejos ...

75º Aniversário de Franc...

Apanhados - Moinho no Paç...

Apanhados - Alberto Henri...

Governo decreta três dias...

Convite para inauguração ...

Autárquicas 2017

Apanhados - Eleições

Apanhados - Casa Cassetes

tags

todas as tags

links
Abril 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
26
27
28

29
30


subscrever feeds