Notícias sobre Valongo do Vouga
Segunda-feira, 16 de Maio de 2005
Soltem os prisioneiros

Confesso que estou a ficar um bocado cansado, para não dizer farto, com a história deste dito realizador português preso no Dubai, por ter consumido droga num país em que, estava farto de saber, isso é punido por lei, ainda que a tal droga chamem ligeira. Não há noticiário que não fale da criatura e até o senhor presidente já se meteu no assunto a pedir clemência às autoridades do país em questão. Primeiro, não entendo o que é isso de droga ligeira. Sou infelizmente fumador e sei que há cigarros com mais e menos nicotina (e outras inas que para aqui não são chamados), mas são todos cigarros. Também bebo e sei que o teor alcoólico das diversas bebidas não é o mesmo, sendo que um bêbado é sempre um bêbado, quer se embriague com cerveja quer com whisky. Falta explicar-me, a mim que tenho a cabeça pequenina para este tipo de questões, por que é que uma droga é leve e outra é pesada?! Já estou a ver um outdoor numa qualquer cidade – “Embebede-se com a cerveja x porque é mais leve”. Afinal caiu o Carmo e a Trindade porquê? Porque no Dubai (país não só riquíssimo como também evoluidíssimo) um português que, por acaso, é realizador, consumiu uma droga ilícita e foi condenado? Sabem os meios de comunicação e eventualmente o poder político que no Dubai, não a fazer turismo mas a ganhar pão para a família, há portugueses a trabalhar arduamente na construção civil e não consta que tenham sido presos por terem cometido o mesmo crime. Em Espanha, aqui tão perto e afinal tão longe, soube-se há dias que há dezenas ou centenas de portugueses a ser explorados, roubados e até espoliados da sua dignidade. A notícia durou apenas um dia. Não ouvi o poder político a dizer que estava a negociar com as autoridades espanholas a libertação destes escravos do século XXI. Poderia, eventualmente, se o espaço de uma crónica o permitisse, dar aqui um sem número de exemplos da nossa história recente. Desde logo com as mulheres que, todos sabem, são espantadas de Portugal e vão ali para 20 km da fronteira fazer o mesmo que as levou a serem corridas do lado de cá. Isto só vale uma pequena notícia, rápida e de um dia, quanto muito dois. O realizador dá entrevistas às televisões, às rádios, assumindo que consumiu drogas e tudo isto passa nas rádios e televisões em horário nobre pedindo clemência às autoridades portuguesas. O que hão-de pedir senão clemência as centenas de jovens que entopem as cadeias portuguesas exactamente por terem cometido o mesmo crime, isto é, consumirem drogas? Se tinham menos nicotina ou menos alcatrão ou menos teor alcoólico, não eram senão drogas. E produziram o mesmo efeito: cadeia. De modo que, cá para mim, que como disse fui dotado com um simples cérebro de passarinho, ou há moralidade ou comem todos. E assim sendo libertem o famoso do Dubai, mas por favor, soltem os prisioneiros que neste país cometeram o mesmo erro. P.S.1: Já sei que uns quantos iluminados dirão que em Portugal não se é preso por consumir drogas ditas leves. Sim, eu sei, mas sei também porque dei morada na minha própria casa a alguns toxicodependentes que hoje estão presos por culpa das consequências desta sua “doença”. Quase todos começaram o caminho que os levou a este triste final por consumirem as ditas drogas leves. Os incrédulos podem ver as estatísticas que estão publicadas e disponíveis para todo e qualquer um que as queira consultar. Por mim, não preciso de consultar estatísticas, porque conheci, vivi e experimentei ajudar à libertação de muitos daqui das nossas terras. Por isso, não canto de galo. Falo do que sei. P.S.2: Gostaria ainda de saber quanto terá custado a cada contribuinte a arquivação do processo do realizador... Afinal, quantos investimentos fez a diplomacia portuguesa para libertar da respectiva pena o português que acendeu um charro num país onde só vai quem tem dinheiro ou precisa mesmo de trabalhar - e, portanto, não tem para charros?

 

Texto enviado pelo Padre João Paulo Sarabando


tags:

publicado por Filipe Vidal às 23:11
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Paulo Pereira a 17 de Maio de 2005 às 16:37
Irrepreensível!

Apenas me resta – como a qualquer outro simples cidadão Lusitano – subscrever este artigo na integra.


Comentar post

mais informações


pesquisar
 
arquivos
posts recentes

Ana Maria Xavier

Paula Lima - Corresponden...

Homenagem a Eusébio

Nova ponte em Brunhido

Chuva

Cheias

Bom ano novo!

Decoração de Natal

Armazém das Conferências ...

Nova ponte em Brunhido

tags

todas as tags

links

contador gratis
Fevereiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29


subscrever feeds